"I Villani" produção italiana que estreou em Brasília será exibida em Curitiba na Cinemateca na programação da 3ª edição da Mostra Internacional "Nossa Terra": Cultura e Alimentação.



Documentário italiano que estreou no Brasil na 10ª edição do Festival Slow Filme que aconteceu em agosto deste ano em Brasília, DF, realizado pela Objeto Sim, parceira desta edição da nossa mostra de cinema aqui em Curitiba, "I Villani" de Daniele De Michele (Itália, 2018) é um filme emocionante que conta a história de quatro produtores de alimento de regiões distintas da Itália e, suas, lutas diárias para manter as tradições frente aos avanços tecnológicos na produção de alimentos e a evasão das gerações, juventude que cada vez mais tem saído do campo em busca de novas oportunidades nas cidades.

A popular culinária italiana, amada e imitada em todo o mundo, está morrendo. Mas muitos tentam salvá-la. O filme segue quatro personagens do amanhecer ao anoitecer, do começo ao fim do dia. O passar das horas marca a apresentação de cada personagem. Nós os vemos inicialmente em seus espaços, em suas tarefas e depois enfrentando suas dificuldades diárias. Ao pôr do sol, a solução surge, por meio de sua ética, conhecimento, cada comunidade cria e deixa seu legado. Foram escolhidos quatro personagens que poderiam representar a culinária italiana, respeitando as várias características que a compõem: norte e sul, homens e mulheres, jovens e idosos. Quatro "vilões" que falam sobre agricultura, pesca, produção de queijo e culinária familiar. Quatro personagens que em sua vida cotidiana representam a síntese da infinita resistência e reticência em adotar um modelo gastronômico e cultural igual em todo o mundo. Quatro personagens e suas famílias para ver se a culinária italiana ainda é uma herança viva, se a passagem de informações entre gerações ainda existe, se a culinária italiana como a herdada por eles será salva ou desaparecerá.


Segundo Daniele De Michele, diretor do filme, essas pessoas contaram sobre estar nesse mundo, sobre seu relacionamento com a terra e a história do lugar que lhes deu a luz. Foi nesse delicado, às vezes irônico, às vezes doloroso entrelaçamento entre as histórias íntimas de sua experiência e sua culinária com habilidade, inteligência, senso de observação que surgiu o significado mais profundo da culinária italiana: ser sábio, saboroso e parcimonioso, respeitoso com os produtos da terra e do mar. Essas pessoas mostraram nesses gestos confiantes de como a modernidade entrou em conflito radical com essa cultura. Um conflito que foi ao cerne do problema. Para comer bem, é preciso respeitar os tempos da cozinha, respeitar as estações, a terra e o mar, tudo o que a modernidade não faz mais. O resultado é um conflito entre as partes, uma resistência, uma proposição de uma nova vida que, embora ancorada no passado, se torna real e vital. Nestes quinze anos de trabalho, tendo criado livros e programas que combinavam culinária e arte, a exploração foi contada por ele em primeira pessoa, destacando seu ponto de vista sobre o que era cozinhar para si mesmo. O que o estimulou e ele quer compartilhar é a existência de pessoas capazes, verdadeiramente capazes, para criar e recriar o gesto e construir um conhecimento vivo em torno desse gesto. A existência deles tem prioridade sobre sua elaboração e seu olhar quer parar ao lado deles, para reunir suas urgências ideais e, finalmente, as políticas com seus gestos, lugares, rostos e palavras cotidianas. O cinema documental é a ferramenta que permite a Daniele fazer essa reunião: ele não desiste, mas se deixa viver dentro da realidade deles. É por isso que o filme chega ao final de um longo período de pesquisa, após o qual finalmente ele quer poder viver com as pessoas que essa longa pesquisa lhe deu a chance de descobrir e apresentá-los ao público.

(Daniele De Michele como Donpasta)

Sobre o diretor, por quase duas décadas, Daniele De Michele celebra o espírito das avós italianas, chamando a atenção para seus conhecimentos coletivos sobre comida, culinária e tradições culinárias locais. Originalmente da Puglia e agora morando em Roma, De Michele é um autor, D.J. e, mais recentemente, produtor de documentário. Ele trabalhou na televisão e no rádio, escreveu para uma variedade de revistas de comida italiana e contribui regularmente para La Repubblica e Corriere della Sera. Ele foi o curador de uma série de TV na web chamada Nonne d'Italia, em Cucina, uma jornada pelas 20 regiões da Itália entrevistando avós em suas cozinhas. Ele até falou em um TEDx sobre a morte e o renascimento da culinária italiana. Parte integrante da demonstração de culinária é a música que ele selecionou pessoalmente para complementar o prato do dia. De Michele atuou como D.J. Donpasta em locais ao redor do mundo, incluindo o Highline Ballroom em Nova York e o Parc de la Villette em Paris. Essa experiência o levou a seu próximo grande projeto: um livro de receitas, emprestando uma ideia do bisavô de todos os livros de culinária italianos, A Arte de Comer Bem, de Pellegrino Artusi. O livro de Artusi, impresso pela primeira vez em 1894, apresenta centenas de receitas tradicionais e é hoje um item básico em muitas cozinhas italianas. A versão de De Michele, chamada Artusi Remix, destaca cerca de 500 receitas de família enviadas a ele por cozinheiros de toda a Itália.

O filme "I Villani" que encerra a programação 2019 da Mostra Internacional de Cinema "Nossa Terra": Cultura e Alimentação de Daniele De Michele, recebeu a menção especial da Federação Italiana de Cineclub-Il Giornale del Cibo, atribuída “ao trabalho que propunha a cena mais significativa relacionada à alimentação e nutrição” no contexto de 75º Festival Internacional de Cinema de Veneza.
(Fonte: ZaLab)




“I Villani” de Danieli De Michele | 83 min. | Documentário - Legendado| Itália, 2018 | Classificação: Livre.

Quando: domingo 20 de outubro de 2019 às 18h.

Onde: Cinemateca de Curitiba (Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 1174 - São Francisco).

Sala Groff: 104 pessoas.

Entrada franca, aberta a todos os públicos respeitando a capacidade da sala e classificação da obra.

***

Comentários